quinta-feira, novembro 13, 2008

Zé dIAZ

Desconfio que amor de filho seja isto.
A mesma coisa que amor de pai.
Ao qual fui introduzido há apenas dois anos.
Mas que já deu para perceber.
Orgulho.
Incondicional.
É bonito não haver, afinal, nenhuma diferença.
É bonito, pronto.
Zé dIAZ nasceu em Santa Luzia há muitos, muitos anos.
O dobro dos meus.
Porque só agora, aos trinta e tal, percebo, com entendimento de causa, o quão difícil deve ter sido.
Um mouro de trabalho, quatro, cinco, seis meses sem me ver.
Eu a dizer as primeiras palavras, eu a dar os primeiros passos, eu a crescer.
Zé dIAZ, telefonemas por satélite aqui, avarias no navio ali, licenças de marear em Amesterdão e no Bangladesh, a mourejar carregos da dispensa para a cozinha, Providenciando pão para a mesa.
O melhor que, na altura, havia.
Fui criado em berço de ouro.
E, embora não lhe visse o bigode durante tantos meses da minha vida, não me lembro da vida sem ele.
Ganhámos, pois, esta estranha cumplicidade de amigos que dizem sem pensar e aventam sem medos porque, no fim, está tudo bem.
Vamos para velhos.
A ordem natural das coisas.
Já o vi, ainda novo, amedrontado por uma operação.
Já lhe ouvi delírios febris perigosamente próximos da hemodiálise para a vida.
Vejo-o, agora, curvado sob o peso dos anos, a mendigar favores a médicos que, a terem algum humanismo, seriam calceteiros.
Mas vejo-o.
E, para o seu neto, nada mais desejo do que um pouco do que eu sempre tive.
Nos dias de hoje, porém, não o posso garantir.
Talvez escreva algo para mim, o puto, aos 30 e tal.
Chegar-me-ia?

9 comentários:

simone disse...

Lindo!

Master Of The Wind disse...

Mt bom puto. Gostei.

Anónimo disse...

Clap clap clap! Standing ovation!!!
Freaky

lidia disse...

Agora sim:
Bom post!

Zorze disse...

Uau...

1entre1000's disse...

escuso-me a introduzir as minhas pequenas palavras quando está tudo dito: "É bonito, pronto."

Zorze disse...

Quem olha para o Diaz pensa que é um mitra convencido, um wannabe (o que me ri hoje com esta merda, Diaz...), mas não: é um pequeno génio à solta nas desertas e desinteressantes ruas charnaquenses... ;)

Anónimo disse...

Zorze bastava o "Uau...", tudo o mais estraga o cenário Man!
Freaky

Armand Blanchard disse...

Tu quando queres...