segunda-feira, julho 13, 2009

Um dia...

... todos os festivais de música serão como o Palco Super Bock do Optimus Alive.

Isto é, porém, perverso.
E porquê?
Porque um gajo dá com ele a pensar Ó dIAZ, tás velho, pá, os palcos PRINCIPAIS, com as GRANDES BANDAS, já não são para ti!
Mas à medida que o Festival avançava, foi-se concluindo que, afinal, estar no Palco Optimus é que era ser velho antes do tempo. Não obstante a criançada aos saltos, ainda com a T-Shirt dos Slipknot comprada de véspera, os concertos revelavam a decrepitude dos Metallica (meu dEUS, que quase se vêm por acidente, tipo Xutos), dos Placebo (aquele look Juaquin Cortéz é sintomático e nem os hits conseguem fazer mexer um pezinho), os The Prodigy (estes são mesmo o supra-sumo daquilo a que me refiro, porque eu tinha vinte-e-tais quando os curtia e recuso-me a ser um late-hearer daquela MERDA, estupidamente ultrapassada e cuja única atenção é requerida por um macaco que salta em palco imitado, lá está, por umas centenas de babuínos impúberes), dos Black Eyed Peas que já eram antes de terem sido alguma coisa e, by god, quase nem acreditava ao ver que o Dave Mathews podia, ao fim do 6.º tema, fazer play numa gravação com a emissão da Antena 3 e a coisa tinha o mesminho efeito.

Perverso, pois, porque os VELHOS como eu foram, afinal, os gajos que, às tantas, já nem saíam do Palco Super Bock. Porque foi surpreendendo ao invés de desiludir. Porque, afinal, era o que tinha as novidades e a estas só as ouvem quem não deseja parar no tempo e, logo, tornar-se velho. É o que está a acontecer às gerações mais NOVAS, VELHOS antecipados e que, pelo que vejo, vão andar no Plateau a partir dos vinte-e-muitos, ao contrário dos meus amigos que estagnaram mas, ainda assim, só o começaram a fazer aos trinta-e-poucos.
TUDO acabou da MELHOR FORMA, MESMO, com DEADMAU5, os Does It Offend You, Yeah? surpreenderam quem não estava à espera, a Lykke Li não foi melhor que no Variedades mas ficou amada por quem a viu pela primeira vez, os Ting Tings são dois que parecem dez e os Fisherspooner, por amor da santa, pá, NÃO DÃO HIPÓTESE e foram, com toda a certeza deste Mundo, o Melhor Concerto de TODO o Festival.

Mas não perguntem a quem não saíu do Palco Optimus.
A esses resta mesmo um exame introspectivo para tentar perceber que €50 é mesmo MUITO DINHEIRO nos tempos que correm! E não, não por causa da crise... Para mim, a Crise é mesmo outra. E esteve bem patente este fim-de-semana!

3 comentários:

Anónimo disse...

Tende pena de todos aqueles que não puderam ir..

guardai pf essas descrições, opiniões e avaliações dentro de uma caixinha e não as atireis à cara dos que fechavam os olhos e se imaginavam em tal recinto, ao invés de num estádio com 4 mil gatos pingados que acabaram por entrar só pq..


Marie

Anónimo disse...

For fuck sake!!!! Narrow minded!!!??
Freaky

Zorze disse...

És muito arrogante Diaz. Quando tomas essa tua atitude perante a música e os músicos nem me dá mais vontade de voltar a ler o teu blog!